Compartilhe

POR QUE O SEGURO DE VIDA É CONSIDERADO COMO INVESTIMENTO?

Quem deseja garantir uma renda extra ou o futuro da família, está sempre de olho em uma boa oportunidade de investimento. O leque de possibilidades é tão amplo, no entanto, que às vezes negligenciamos boas opções para aplicarmos nosso fundo. Entre essas opções, está o seguro de vida.

Sim, o seguro de vida é um investimento para quem aplica e, principalmente, para sua família. Nesse artigo, vamos te explicar por que optar pela contratação desse tipo de produto pode ser uma boa ideia. Acompanhe!

O QUE É O SEGURO DE VIDA?

O seguro de vida é um produto que garante aos dependentes do segurado, um aporte financeiro em caso de perda deste. Em geral, o membro mais bem remunerado da família faz um pagamento mensal das apólices para garantir que, ao partir, seu cônjuge e filhos recebam uma indenização financeira que lhe permitam manter um bom padrão de vida.

Dessa forma, o seguro é um investimento relativamente baixo, feito por um longo período e com riscos praticamente inexistentes. Em outras palavras: um investimento seguro, com bom retorno e com resgate rápido, em geral de 30 dias após ser acionado. O dinheiro do seguro é destinado exclusivamente aos escolhidos pelo segurado e, portanto, não entram em dívidas nem inventários.

EM QUAIS CASOS ELE PODE SER RESGATADO?

O seguro de vida pode ser resgatado em três situações, desde que respeitado o limite de carência definido em contrato, geralmente, de dois anos.

  • Morte: com o óbito do segurado, seus dependentes vão receber uma indenização de acordo com o contrato. Esse pagamento pode ser realizado todo à vista ou persistir em forma de renda por um período preestabelecido,
  • Invalidez: caso o próprio segurado sofra um acidente ou doença que o torne incapaz de trabalhar e se sustentar, ele poderá solicitar a indenização do seguro, que também pode ser feita em uma única parcela ou em várias.
  • Sobrevivência: algumas modalidades de seguro de vida garante que o próprio segurado receba o seu retorno desde que ele ultrapasse determinada idade.

O seguro de vida, assim, se mostra um investimento tanto para a segurança financeira da família, como um fator de estabilidade para o próprio investidor, podendo ser utilizado em momentos que ele precisará mais, seja por conta de uma invalidez ou idade avançada, sendo um complemento interessante para a previdência social, privada ou outras fontes de renda, como imóveis.

QUAIS CUIDADOS DEVO TOMAR?

O valor do seguro de vida varia conforme alguns fatores, como a quantidade de riscos que o beneficiário está envolvido: fumantes e esportistas radicais, por exemplo, pagam apólices mais caras, na medida em que, em teoria, teriam menos tempo para investir.

Também é importante lembrar que, quanto mais cedo for iniciado o investimento, menos ele vai impactar no seu orçamento cotidiano. Ou seja, fazer um investimento quando jovem é muito mais barato e rentável do que realizá-lo já com uma idade avançada.

Também é importante procurar por seguro de vidas resgatáveis, no qual o segurado pode solicitar o reembolso do investimento após cumprir algumas exigências de tempo ou valores. Nesses casos, o retorno pode ser da inflação mais uma taxa que varia entre 2% e 3% ao ano.

Quer ficar por dentro das notícias sobre todos os produtos que trabalhamos? Então siga-nos nas redes sociais:

  

Fonte:blogrodobens/maio/2017

Conheça as nossas redes sociais: